Sábado, 13 de Novembro de 2010

           Morte:

 Existes numa sala cheia de gente, sentes-te só, desamparado. Olhas em frente. Aguardas pela tua vez. Vais ver a tua mãe moribunda. Não sabes que não te chamam pois já não há ninguém a visitares. Não sabes porque sentes as pernas a tremer. Não sabes porque te sentes tonto. Vês uma senhora de branco, loira, de olhos azuis, a voar na tua direcção. Julgas-te morto a ser levado por um anjo. Olhas mais uma vez. Vem com ar sério. "Estarei a ir para o inferno?", pensas. Não. Até que o anjo fala: "morreu."

E tu dizes: "não, deixe-me morrer só depois de ver a minha mãe, não me leve já para o céu. Deixe-me despedir da minha querida mãezinha." E choras um vale de lágrimas. E perguntas incrédulo: "é você nossa senhora de Fátima? Deixe-me beijar-lhe as mãos. Deixe este pobre coitado, deixe."

            Ao que ela calmamente te responde: "quem morreu foi a sua mãe, você ainda resta vivo. Os meus pêsames. A sua mãe morreu á uma hora atrás com ataque do coração. Antes de falecer disse apenas: «salvem o meu filho perdido»." Respirou e prosseguiu: "venha comigo identificar o corpo, se faz favor." E tu choras um grito e dizes: "oh minha mãe, oh minha mãe. Leva-me, leva-me."

            Perdes-te um pai, uma irmã, e agora a tua mãe. Levaste a tua vida ao sabor das vontades dos outros, fizeste pelos outros aquilo que eles não fariam por ti. Eles morreram na esperança vã de te salvar, de te libertar deles. E tu encostaste-te a outrem. Não amaste ninguém, nunca foste um romântico e interessado nas raparigas. Outrora trocaste olhares com a filha da dona da pensão, mas ela cansou-se e casou com o filho do mecânico. Desde aí só ligas aos desejos dos outros.

            Sabes, eu sei tudo isto porque te acompanho desde sempre. Sou omnipresente. Eu mesma te tentei salvar, mas tu próprio te perdeste, filho de Deus.

            Agora respira. Pois agora, só te levarei quando restares só. Até lá observarei cada passo teu. Pois eu sou a Morte. Sou a vida. Visto jeans e t-shirt, e sorris-me a cada esquina. Sou jovem, madura e tenho corpo. Eu decido o destino das almas perdidas. Em breve conhecerás a tua alma gémea, pois o meu irmão Destino se encarregará de tal, mas ela também te morrerá. Sou a luz. A cor. A agonia. Sou a salvação do teu dia.


sinto-me perdida.
música Natalie Merchant - My Skin

publicado por naná às 12:27 | link do post | comentar

18 comentários:
De mudou a 13 de Novembro de 2010 às 12:44
vou favoritar. adorei!


De narmy. a 13 de Novembro de 2010 às 15:50
mas a minha mãe não está desgostosa das minhas notas, e é professora, por isso tem bastantes estudos. a única coisa que ela me critica é a aparência, constantemente. aí está o meu problema, porque eu não causo confusões. é a minha aparência, e é das coisas que menos tolero no mundo, julgar os outros pela aparência. sei e sempre soube que ela quer o melhor para mim, mas não devia constantemente repetir que tem vergonha de como eu me visto ou que tem um desgosto por não achar piada aos meus gostos. não deve dizê-lo, aliás, são coisas que não se dizem sejamos filhos ou pais. eu gosto dela e ela gosta de mim, mas esta situação estraga completamente o nosso relacionamento.

quanto ao teu texto, está espectacular. adoro aquilo que escreves, sem dúvida.


De mag. a 13 de Novembro de 2010 às 16:18
existem mais palavras para além de: Uau!!
adoro mesmo estes teus novos textos, adoro,adoro!


De narmy. a 13 de Novembro de 2010 às 20:14
percebo. não se pode andar de preto por aí, que  as pessoas começam logo a pensar coisas. a minha mãe é a mesma situação, é professora na escola onde estudo, nada de arruinar a imagem dela. mas enfim, eu acabo por vestir aquilo que quero, e as pessoas têm que aceitar. é um mundo triste, mas como já foi pior, só resta esperar que melhore.


De narmy. a 13 de Novembro de 2010 às 20:15
só uma  pergunta, ainda andas de luto pelo teu pai, ou apenas passaste a gostar do preto?


De narmy. a 13 de Novembro de 2010 às 20:18
o marilyn manson tem bastantes quotes fantásticas. esta não vai ser provavelmente a única que vou postar.


De summer wright a 13 de Novembro de 2010 às 20:29
lindo. maravilhosa a forma como retratas a morte.
obrigada. não percebi a tua pergunta.


De summer wright a 13 de Novembro de 2010 às 21:28
não sei de nada (a) podes imaginar o que quiseres sobre o final. ser um homem?


De yellewanne a 13 de Novembro de 2010 às 21:41
a maioria das raparigas deve saber o q isso é.
a tua música do blog dá-me sono :o xD


De yellewanne a 13 de Novembro de 2010 às 21:59
acredito q seja bonita a letra, mas a maneira q o gajo canta dá-me mesmooo sono :o


Comentar post

mais sobre mim
Labrinth feat. Emeli Sande - Beneath Your Beautiful
arquivos

Abril 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010