Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

Se aqui estivesses. Eu acordaria bem-disposta e mandava-te um SMS super fofinha. Tomava um bom banho e faria a mala. Depois, mandaria uma SMS a uma amiga a dizer o quão doente estaria e esquivava-me às aulas. Tu tiravas folga no trabalho e vinhas-me buscar a casa. Estacionavas, saías do carro e eu mandava-te as chaves pela janela. Subias até ao meu andar e ajudavas-me a vestir, enquanto espalhavas os teus beijos pelo meu corpo. Depois íamos almoçar fora, a um sítio qualquer, partilhávamos a sobremesa e a conta. E debaixo da mesa eu roçava o meu pé nas tuas pernas. Lançavas-me olhares desafiadores e sorrias-me. Eu sussurrava que te amava. Deixávamos o restaurante e compravas-me uma rosa. Oferecias-ma, envergonhado, e dizias: eu nunca dei uma flor a alguém. Eu recebia-a e beijava-te no meio da rua. Durante o tempo que fosse necessário, beijava-te com amor. Seguidamente, íamos dar um passeio no litoral. Descalçávamos os pés e corríamos na areia. Brincávamos, beijávamo-nos e lançávamos palavras de amor ao vento, ao mar. Despíamo-nos na loucura e mergulhávamos as águas gélidas do norte. Lá dentro, amamo-nos com o todo o amor que o frio nos dá. Saíamos risonhos da água e encaminhávamo-nos ao carro. Fugíamos até um hotel. Tomávamos banho. Descíamos para lanchar. Sorrimos ao subir as escadas, e todos sorriam como nós. Beijávamo-nos da porta até ao colchão. Despíamos as roupas, mordíamos pescoços e bateríamos com a cabeça no canto da mesinha de cabeceira. Cairíamos ao chão. Fazíamos amor com as minhas costas a roçar a alcatifa. Depois, beijavas-me as costas e dizias que me amas. Eu dizia-te também. Que te amo, que te amo, meu amor eu te amo. Depois, quando batessem as 7 horas. Íamos tomar banho outra vez. Eu vestiria o meu vestido justo curto e decotado preto e a lingerie que me enviaste pelo correio, roxa. Tu vestias-te casualmente, sem nunca perderes esse teu sex-appeal dos 30 anos. A barba quase feita, o cabelo a ganhar tons de grisalho. Desceríamos e jantaríamos à luz das velas. Depois, voltávamos a subir o hotel. Encostavas-me contra a porta do nosso quarto e beijavas-me cada traço cada ruga. Tiravas-me o vestido suavemente. Eu despia-te o casaco, a camisa, as calças. Voávamos para a janela. Olhávamos a cidade que se renderia aos nossos sons. Iríamos ser só um nessa noite, profundamente me tornava tua, mais do que era, e gemeria que te amava. Tu corresponderias, que me amavas também. Depois, acordávamos tardiamente e devolvias-me a minha casa. Mas só se estivesses aqui, amor, só se estivesses aqui.



publicado por naná às 14:19 | link do post | comentar | ver comentários (18)

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

"I'm back"



publicado por naná às 20:37 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

Tenho um miúdo na natação que só diz: eu sabo, eu sabo, eu sabo. (eu sei, eu sei, eu sei). Tenho outra miúda que foi atropelada aos 3 anos (tem agora 6), tem 6 parafusos numa perna e 4 cicatrizes visíveis e eternas. Tenho dois miúdos primos. Que são filhos de mães irmãs e pais irmãos. O corte de cabelo é igual, os óculos são iguais, até as cuecas são iguais. (quero ver no futuro). Tenho outro miúdo que tem 5 anos mas nem xixi consegue fazer sozinho, que passa a aula sentado no meu colo de um lado para outro com uma expressão séria e só se ri quando falo dos power ranger's ou oliver&benji. Tenho outro miúdo que vem semana sim, semana não. Falta porque vou ao porto apanhar picas, me diz ele, e porquê? Não o sabe nem eu. Vive com a avó, a mãe e o tio. E tem um irmão, que vive com quem? Com o Rui. Ah, e o teu pai? É o rui. Tenho uma outra miúda que chora sempre que lhe dou um berro, e não é um berro é só para chamar à atenção. Tenho outra miúda que me diz sempre: professora olha para mim, olha para mim. E chora se eu não olho. Tenho um outro miúdo que tem a expressão mais séria de que há memória. Nem com cócegas ele dá uma gargalhada. Tenho um outro miúdo que anda na psicóloga. Porque? Porque o meu amigo foi para o céu e eu estou sempre a falar dele, e a minha mãe mandou-me para a psicóloga.

E, eu tenho os nas mãos todas as segundas. Eles apoiam-se em mim e nunca são maldosos. Dão-me beijinhos, são suaves. Obedecem-me, e portam-se bem. São felizes, gostam tanto de brincar! E eu penso. Se já na inocência o mundo lhes cai na mão, ficarão eles como eu um dia? Com uma lâmina em cada gaveta. E uma mala feita no fundo do armário? Se já nem a inocência será uma boa memória para eles? Que levarão eles para o futuro?

E é isto que me tem tirado o sono, é isto que me fez recair no café. Porque eles não são meus filhos. Mas são os meus meninos. São eles que me vêm frágil e rejubilam quando me vêm chegar ao balneário. São eles que me dizem: mas que dentes tão grandes professora. E são eles que dão pequenas gargalhadas quando eu lhes digo que perdi a minha mão. Acham piada à mais inocente das frases. E são felizes. Com tantos problemas, são tão felizes.



publicado por naná às 22:31 | link do post | comentar | ver comentários (12)

mais sobre mim
Labrinth feat. Emeli Sande - Beneath Your Beautiful
arquivos

Abril 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010