Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Quando chegaste até mim não eras mais do que um pequeno e leve menino. Sofredor, nesta triste vida, que te morreram todos enquanto tu nascias. A mulher que te pariu não gritava por ti, mas pela tua família que ao vir para o hospital te ver nascer, morreu. Nunca foste abençoado e nunca sentiste o calor paterno. A tua mãe não te olha nos olhos e não te trata por filho. Deixa-te a comida no forno e manda-te comer. Não sabe do que gostas. Não sabe o que queres fazer um dia. És tão pequeno que não percebes. Hoje é o dia do teu recital. E ela não apareceu. Ficou em casa a ver televisão. Mas não te importas, a tua melhor amiga, a psicóloga está aqui para te ver. Um dia passado chamaste-lhe mãe. E ela sorriu. E tu não estranhaste. Em casa, à tua mãe que te trouxe ao mundo chamas pelo nome próprio antecedido de "dona". Dona São é o que lhe chamas. E não te imaginas a chamar-lhe de mãe. Hoje é o dia do teu recital. E eu estou presente. Vejo bem o carinho que a tua psicóloga por ti tem. E tu também. Os teus olhos pequeninos sorriem. E mostras esses dentes branquinhos de leite. Ainda és tão jovem, e mesmo assim, tão desprotegido. Referes-te à psicóloga como a tua amiga, e em segredo rezas para que seja tua mãe. E ela mesma o deseja também. Tão só, infértil, com um marido vivo, mas para ela morto. Sabes? Foi o marido dela que causou o acidente em que perdeste pais e avós. Foi o marido dela, que fugiu do local do acidente e não quis saber mais. É a bebida, é a bebidagemia ela quando o expulsou de casa. E agora, tal e qual uma fada-madrinha, ela te protege. Meu menino. Que cantas alegremente os Reis e não sabes o que é ter mãe. Cantas o nascimento de um filho do Homem, quando a tua mãe te canta a morte. Quão traiçoeira pode ser a vida. E tu cantas. E a psicóloga sorri, e lá longe em casa, quando anoitecer, ficarás ainda mais só. A tua dona-mãe o teu pai quer!, e os seus pais quer! E, tu ficarás só. Encarregue à mulher de quem te matou a família. Quão intriguista pode ser o destino?

Não o sei, mas crio-o.



publicado por naná às 18:06 | link do post | comentar

10 comentários:
De summer wright a 18 de Janeiro de 2011 às 18:51
não me surpreendes, já vi todo o teu talento e parabéns.


De naná a 20 de Janeiro de 2011 às 20:29
estou tão dah que nem sei se é uma critica positiva se negativa.


De summer wright a 20 de Janeiro de 2011 às 20:31
mais que positiva. atingiste a minha escala máxima.


De Catherine a 18 de Janeiro de 2011 às 18:53
fico sempre "uau" com os temas que escolhes para mostrares a tua escrita. gostei bastante. beijinho


De J. a 18 de Janeiro de 2011 às 19:27
simplesmente incrível.
muito bom tema, desde já ;)


De Emy a 18 de Janeiro de 2011 às 19:39
adorei a história do texto, está lindo (:


De mag. a 18 de Janeiro de 2011 às 21:12
L-i.n-d-o!
está realmente bonito!


De Cath a 19 de Janeiro de 2011 às 14:22

Cada vez me encantas mais com os teus textos.
  quanto ao meu post : é ele, quem me faz e fez sofrer mas continuo a sentir algo por ele..


De narmy. a 19 de Janeiro de 2011 às 19:04
eu não sei o que dizer. a sério.


De Antonio F a 21 de Janeiro de 2011 às 01:34
Dramático , o texto!
Um arrebato, a escrita! Suga-nos a atenção!!
Um dia quero ler um livro teu !! :)

 


Comentar post

mais sobre mim
Labrinth feat. Emeli Sande - Beneath Your Beautiful
arquivos

Abril 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010