Sábado, 19 de Março de 2011

Se hoje estivesses vivo eu acordaria mais cedo. Faria um pequeno-almoço de aniversário e levava-to à cama. Dir-te-ia ainda com remelas nos olhos que estás a ficar velhinho e dava-te os parabéns. Não te cantava os parabéns porque não gostas. Mas dava-te o abracinho com cuidado para não derrubar a cevada quente e forte. Tinha-te preparado um pãozinho quente com manteiga sem sal derretida, ordens do médico, diria tristemente. Depois. Ia-me vestir e arrumava a casa. E depois íamos comer fora. Vínhamos para casa e  festejava com o resto da família com o pudim que a mãe tinha preparado no dia anterior. Pudim caseiro de ovos caseiros. Festejava-te os 61 anos que tinhas inscritos nas rugas da testa, nas marcas das mãos. E depois, eu faria uma birra qualquer. Porque estavas mais velho, e mais perto da morte. Eu era tão infantil. Que sempre que te começavam a cantar os parabéns eu chorava e refugiava-me, pensava sempre que estes eram os últimos. Apesar de teres morrido á três anos eu ainda carrego no peito a mesma dor de saber que não estás aqui mais. Ainda reprimo as lágrimas como fiz no teu velório. E ainda olho para a porta a ver quando entras. Como me torturam os comuns. Vestem as tuas roupas que doamos. Carregam os teus casacos caros e não se apercebem que ainda tem o teu cheiro. Quando me vêm perguntam sempre se não sou a filha do senhor doutor. Alguns, despercebidos, ainda me perguntam como estás... Eu rio-me e digo que já morreste. Mas como irei chorar na frente daqueles que no teu enterro me prometeram apoio incondicional mas que depois da porta do cemitério nunca mais soube deles? Hoje farias 61 anos, e eu iria chorar ao cantar-te os parabéns. Então. Fui à tua biblioteca intacta e peguei no livro que não tinhas acabado de ler. "Cem anos de solidão", levá-lo-ei ao cemitério e ler-te-ei a partir do separador que deixaste. É a única prenda de anos que te posso dar, porque as flores comprou-as a minha irmã. Descansa em paz. Ámen.



publicado por naná às 12:22 | link do post | comentar

12 comentários:
De Cath a 19 de Março de 2011 às 14:42
adorei, náná. adorei mesmo.


De summer wright a 19 de Março de 2011 às 21:15
e ele havia de estar muito orgulhoso de ti.


De DolceScrittora a 19 de Março de 2011 às 22:35
tenho a certeza que ele estará a ver-te. e a imaginar esse feliz momento. 


De mag. a 20 de Março de 2011 às 11:09
lamento isso querida.
Mas de certeza que ele está orgulhoso pela tua força e carácter.


De Felícia a 20 de Março de 2011 às 12:54
Tenho a certeza de que adoraria ouvir-te a ler para ele. (:

Adorei, Naná, está mesmo lindo.


De anne sophie a 22 de Março de 2011 às 21:06

Olá! sou a annesophie do blog Love in an Elevator. Infelizmente tive uns problemas com o email e não consigo aceder ao blog, portanto tive de criar este... Queria pedir-te que me sigas de volta, como fazias no anterior blog. :)


Beijinhos *


De Mariana a 25 de Março de 2011 às 17:44
é lindo naná. e tenho a certeza que ele adorou o livro lido por ti. 
força naná!


De mara. a 25 de Março de 2011 às 19:50
não consegui conter as lágrimas. está lindo.


De Catia a 26 de Março de 2011 às 20:13
Tu és melhor filha para o pai que já não está contigo em vida, do que aquelas que têm o seu pai a seu lado. Foste, a melhor filha com que ele podia ter sonhado, sem dúvida. Esteja onde estiver, está orgulhoso de ti. Nunca deixes que esse teu ser desapareça, porque há quem precise de pessoas assim. Forte como tu, são poucas as pessoas que há. E essa prenda que lhe deste, foi com certeza a melhor que ele teve. Beijinho minha querida *


De lostdreams a 27 de Março de 2011 às 16:10
que lindo


Comentar post

mais sobre mim
Labrinth feat. Emeli Sande - Beneath Your Beautiful
arquivos

Abril 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010